DIA DO APOSENTADO

fevereiro 19, 2020 by Guto Rolim in ABRAPP, Associação, Notícias

DIA DO APOSENTADO

Este ano, a APÓS-FURNAS realizou seu evento do Dia do Aposentado em dois dias seguidos, devido ao pequeno salão disponível em um hotel que apresentou o melhor orçamento. Nos dias 12 e 13 de fevereiro, Diretores, Conselheiros e alguns associados mais atuantes na Associação compareceram ao Rio Olinda Hotel para uma homenagem especial a dois grandes batalhadores de inúmeras lutas em defesa dos aposentados e pensionistas, da Fundação Real Grandeza e da patrocinadora Furnas.

Geovah Ubirajara Amaral Machado e José Elton Tavares de Oliveira receberam das mãos da Diretoria, placas comemorativas, destacando a a importância de sua incansável atuação por de mais de duas décadas.

Homenageado no dia 12, Geovah compartilhou a homenagem com todos os associados – destacando o papel das mulheres, que estão em maior número apesar de virem de uma empresa eminentemente masculina. Destacou a importância da união dos aposentados em torno da APÓS-FURNAS, que proporcionou várias vitórias, e não só para os aposentados, como para os empregados da ativa.

“Quando o Governo FHC colocou à venda as estatais, privatizou entre outras a Light, a Embratel e a Vale do Rio Doce – essa mesma Vale que hoje tem a finalidade de pagar lucro aos seus acionistas e que por isso sacrifica a vida e a segurança de populações inteiras”, disse ele. “A antiga Vale tinha a mesma capacidade técnica e produtividade, porém com um compromisso social: produzir bem-estar para as pessoas”.

Em 1999, Furnas estava na lista de “privatizáveis”, mas a ação dos aposentados, cobrando uma dívida da patrocinadora com seu fundo de pensão paralisou o processo. Furnas é estatal até hoje e entrega uma energia de qualidade, com preço justo para o mercado

“Agora, o governo quer entregar o NOSSO DINHEIRO (porque tudo o que está dentro da Fundação é nosso, dos participantes e assistidos), que são cerca de R$ 16 bilhões, para a administração de entes financeiros privados, cuja finalidade é a mesma da Vale: pagar dividendos aos acionistas. Já a nossa Fundação não distribui lucros; distribui bem-estar para nós, aposentados e pensionistas. Por isso temos que estar juntos na defesa da Real Grandeza. Por isso temos que ter mais associados na APÓS-FURNAS, apoiando nossa luta.”

Geovah lembrou ainda outras duas ações vitoriosas: a das Despesas Administrativas do Plano BD (que, graças a ela, os assistidos deixam de pagar R$ 40 milhões por ano), e a dos balanços de Furnas de 2007 (publicado em 2008), em que Furnas fez um malabarismo contábil, considerando o superávit da Fundação naquele ano como quitação de uma dívida da patrocinadora, gerando resultado positivo para a empresa. Houve até distribuição de lucros para a Eletrobras e os outros acionistas.

“Graças à inteligência aguda do José Elton – o nosso conhecido Zaratrusta – ele conseguiu decifrar o truque e fundamentar uma ação da APÓS-FURNAS para a patrocinadora reverter esse resultado e ser obrigada a reconhecer a dívida. Já ganhamos em segunda instância, mas Furnas ainda recorre, tentando demonstrar que já pagou. Não pagou!, e vamos provar.”

José Elton, o homenageado do dia seguinte, foi menos eloquente mas, com seu habitual senso de humor, lembrou que “o futuro é negro para todos os aposentados. Mas no final, venceremos”, garantiu.

A APÓS-FURNAS indicou ainda o conselheiro Agildo Meireles para ser homenageado pela Fundação Real Grandeza no Dia do Aposentado, em evento promovido pela Abrapp em São Paulo.